Reiki nos Pés

8 abr
Duração da ação: 40 minutos
Esta prática tem a finalidade de nos fortalecer na fé, no amor, na capacidade de reverenciar o outro. Nos fortalece nas questões materiais, saúde e finanças, nos favorece encontrar nosso caminho, nossos talentos e ter força e sabedoria para segui-los. Chamo esta prática de poda e limpeza de nossas raízes, algo como afofar a terra, aduba-la e dar estrutura para que nossas energias telúricas sejam mais saudáveis e proveitosas neste plano. Produz, tanto no terapeuta quanto no paciente uma profunda sensação de comprometimento, amor e respeito.
Objetivo: Ancorar a energia consciencial do ser sobre sua passagem pelo plano terrestre, bem como proporcionar a este ser que recolha tudo o que este plano tem para que cumpra com plenitude e louvor sua missão nesta dimensão.
Paciente: em completo relaxamento e entrega. Após dizer seu nome três vezes, conforme recomendação para o reiki, em proposta à evocação de seu Anjo da Guarda comprometendo-O quanto ao recolhimento da energia e intenção.
Terapeuta:  Entrar em seu centro, serenar  a mente, dispor-se a ser apenas o veículo de transporte para as graças advindas dessa prática. Após, acionar os símbolos correspondentes ao seu grau de iniciação. Por-se confortável aos pés do paciente. Todo o trabalho tem um toque leve, suave. Inicialmente repouse sobre os dedos dos pés a palma da mão, seus dedos tocam levemente nos intervalos dos dedos dos pés do recebedor. Controle o tempo pela sua respiração…9 é o tempo ideal deste trabalho, pois tem o objetivo de marcar um fim e um reinício limpo e renovado.
As terminações de nossos dedos (pés ou mãos), tem uma função importantíssima no recolhimento da energia do meio, chamada pela medicina chinesa de energia Wei, reiki nesses espaços limpa e purifica essa energia fazendo os meridianos que aí terminam ou começam fluírem essa energia purificada.
A consciência do terapeuta deve traduzir o conhecimento sobre o objeto de seu labor.: Nossos pés contam a nossa história, as nossas caminhadas, as dificuldades de nossa jornada. Trazem as marcas nas cicatrizes, nas calosidades, nas deformidades, nas artroses, nos inchaços, nas dores. Mostram nossa pisada, se é dura ou suave, se compensamos nossa pisada mais em algum ponto específico. Nosso trabalho é entregar para esse ser, o que ele precisa para tornar sua caminhada, daqui deste instante para a frente, suave, leve, macia…
Com o dedo indicador, polegar e anular segurando cada dedo, o dedo médio e mínimo se dobram para nossa palma da mão, comprimindo a energia para que saia pelos dedos estendidos e desbloqueiem as articulações de cada dedo, soltando-as torcendo 9 vezes para cada lado, cada dedo, a partir do dedo mínimo (dedo que expressa nossa iniciativa e impulso).
Cientes de que nossas articulações são pontos que representam a união do homem com a criação, por onde passa a energia anímica, a energia responsável pelos nosso movimento sobre este plano. Indiretamente nossas articulações nos ligam também ao Criador. Indiretamente, porque sua função alquímica é separar os ossos e as ligações feitas por músculos e tendões, nos diferem das plantas e processam a evolução. As articulações de nossos pés, dedos dos pés principalmente, nos favoreceu a postura ereta. Nossos pés estão sempre no presente, no agora.
Deslizamos nossa mão para o interno do pé, a curvatura do pé agora recolhe energia para se equilibrar, esta parte do pé tem um ressonador chamado Gong Sun (oferenda universal) . Deslizemos com o polegar (9x) por esta curva, do calcanhar até o dedão, com este sentimento de que estamos despertando a divindade desse ser e oferendando sua caminhada ao  seu Criador, através da energia do reiki.
Pousamos nossas mãos na sola do pé, bem no centro do pé, abaixo das últimas articulações dos dedos se abre um canal energético que é chamado de “mar de todos os canais”, tamanha força energética, tem o poder de fazer fluir toda água do ser ( e somos 80% água), esta energia sustenta toda a atividade do cérebro.
Massageamos toda a parte mole do pé levemente, fazendo a energia fluir e ascender.
Pousamos os calcanhares acoplados em nossas mãos, alimentando a energia de suporte , o calcanhar representa alquimicamente a raiz axial do ser, o eixo energético que flui da cintura até a terra, a energia do primeiro e segundo  chakras, usinas de apoio deste plano.
Os tornozelos, tanto a parte interna quanto a externa. movimente para um e outro lado (9x) e circunde os maléolos com as pontas dos dedos fazendo a energia ascender em movimentos de expanssão (para fora). Do maléolo interno ascenda contornando o osso com o polegar até mais uns dez centímetros contornando a  tíbia. Repouse as mãos aí. Temos aí alguns ressonadores que coletam energia e têm fundamental importância ao equilíbrio psíquico.: Zhao hai (mar luminoso), Fuliu (força de renovação), Jiaoxin, confiança mutua  e zhubin (preparar-se para a homenagem).
Termine apenas juntando suas mãos  na altura do peito e afastando-se do paciente um passo, sentirá seu corpo curvar-se numa reverencia, devido a energia de gratidão da qual ficas impregnado.
Deixe o paciente recolher a energia que lhe cabe, ele despertará no seu tempo.
Considerando que ao longo de nossa história evolutiva, pisar na terra tem um significado de força, e que o caminhar sobre ela nos trouxe até aqui, e  nos tempos modernos caminhamos cada vez menos, é fundamental que façamos pelo menos algum movimento para resgatar esta proposta vital.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: